Estudantes do Sambizanga exigem mais qualidade de ensino aos professores

Compartilhe

Falta de água canalizada, laboratórios “virgens” e as alegadas relações azedas entre Professores e Estudantes estão na base das principais dificuldades porque eles passam amiúde naquele Instituto Médio Politécnico do Sambizanga- sita no distrito urbano do Ngola Kiluanje-, em Luanda.

Tais dificuldades foram apresentadas por ocasião da primeira edição da rubrica “A VOZ NA ACADEMIA” deste Jornal, realizada nesta Quarta-feira, 2, no mesmo Instituto. Entretanto, de acordo com os Estudantes Lúcio e Elizabeth, por exemplo, ambos do 11° ano, mas de cursos diferentes, foram unânimes em afirmar certas dificuldades porque eles vivem naquele estabelecimento de Ensino público, começando pela falta de água canalizada, laboratórios sem certos materiais, bem como a existência de Professores carentes de métodos próprios para o Ensino.

Nós passámos muitas dificuldades, aqui na academia. Não há água canalizada, os laboratórios carecerem de certos instrumentos, bem como há professores que não têm bons métodos para ensinar. E isto se repercurte no nosso aprendizado, pelo que então, pedimos melhoria nos próximos tempos“, pediram acrescentando que, no caso dos nossos colegas do curso de Electridade, às vezes, são obrigados a trazer de casa certos instrumentos que alegadamente aqueles laboratórios carecerem, como o caso de alicate, chave de fenda, martelo e enfim.

Há vezes que nós sentimo-nos obrigados à trazer de nossas casas, certos materiais que a Escola não tem, tudo porque queremos garantir o nosso Ensino“, finalizaram.

Questionados sobre se nunca registaram uma eventual tendência de corrupção, assédio sexual e ameaças de reprovações por parte de alguns Professores, eles foram tão perentórios em dizer que “não”. Embora, houve quem dissesse já ter ouvido relatos de colegas que supostamente terão sido vítimas destes fenômenos.

Nunca isso aconteceu connosco, na primeira pessoa. Mas já ouvimos algumas que dizem ser assediadas por certos Professores“, confidenciaram.

Na mesma ocasião ouvimos também o Director Administrativo da referida Instituição, Simão Manuel Luís, que embora discordando com certos dizeres daqueles Estudantes- laboratórios “virgens”, professores sem métodos próprios para o Ensino, assédio sexual, tentativa de corrupção-, mas foi também unânime em afirmar que a instituição passa dificuldades, sim. Entretanto, uma das quais tem que ver com a falta de água canalizada e a própria via de acesso, principalmente em épocas de chuva. Mas, ainda assim, segundo aquele responsável, tais dificuldades poderão ser colmatadas este ano.

Não concordo com tudo que foi aqui levantado pelos Estudantes. Mas há, há sim, dificuldades. E pensamos que ainda este ano as dificuldades poderão ser colmatadas, pois a EPAL já domina o assunto “, garantiu.

De lembrar que, o Instituto Médio Politécnico do Sambizanga existe no mercado há 12 anos, conta com cerca de 38 turmas, 2 cursos- Eletricidade e Climatização- e com um universo de 2260 Estudantes, no geral.

POR: Ngola Ntuady Kimbanda Nvita

Comentários no Facebook
Compartilhe