Educação e Saúde: Mais de três mil angolanos dependem da RDC

Compartilhe

Falta de escolas e postos médicos “obriga” cerca de três mil e quinhentos cidadãos angolanos, na Lunda Norte, a recorrerem ao sistema de ensino e saúde do país vizinho, República Democrática do Congo, segundo noticiou recentemente a Angop.

Segundo a Angop, esta realidade foi denunciada no último final de semana, pelos anciãos da localidade de Regedoria, num momento em que o governador provincial da Lunda Norte, Ernesto Muangala, efectuava uma visita de trabalho à região.

O governador Ernesto Muangala, realizou a visita de trabalho a esta zona fronteiriça para se inteirar das condições sociais prevalecentes nas áreas geográficas de fronteira entre a Lunda Norte e a RDC. Durante esta visita, os sobas da região, explicaram ao governador que, a necessidade de uma intervenção nas áreas da saúde e educação são urgentes.

Outro problema sublinhado ao governador Ernesto Muangala, foi a questão do ensino da língua portuguesa às crianças da zona em questão, pois, estas, ainda frequentam escolas congolesas por falta de resposta integral do lado angolano.

Comentários no Facebook
Compartilhe