Denúncia: Escolas sem carteiras dificultam o ano lectivo no de Quiculungo, C.Norte.

Compartilhe

Professores e Estudantes da Escola Missionária do Quiculungo, na província do Kwanza Norte, lamentam há quase um ano sobre o péssimo estado em que se encontram as carteiras daquele estabelecimento de Ensino e aprendizagem.

A denúncia foi feita na manhã hoje, por alguns profissionais (entende-se professores) da referida Instituição que, sem gravar entrevista, dizem encontrar sérias dificuldades no momento de ministrar as aulas por alegadamente não haver carteiras em boas condições.

Por exemplo, um dos denunciantes que respondeu no nome fictício de António Xangala, de aproximadamente 29 anos de idade, disse e considerou ser uma situação precária, porquanto é inconcebível hoje, em pleno século XXI, as crianças (entende-se alunos) enfrentarem o que se verifica aqui.

”Não temos como dar aulas. Como avançar, se os estudantes não têm por onde vão sentar?”, questionou.

Já o outro professor que decidiu falar no anonimato, justificou ser bastante difícil e penoso trabalhar naquelas condições, por considerar a situação actual da escola como sinónimo de um “Calvário” laboral.

“Caro Jornalista, é difícil acreditar nas péssimas condições a que estão submetidos os estudantes e os professores, pois, isso não parece ser escola, mas sim um calvário”, disse, acrescentando que:- “já várias denúncias e reclamações os estudantes e professores fizeram há quase um ano, mas nada!”, concluíu.

De recordar que no recente discurso da Ministra da Educação, Candida Teixeira, quando esta falava à imprensa, prometera que as escolas a nível do país beneficiar-se-ão de outras novas carteiras. Por outro, também o OGE deste ano pôde canalizar uma verba razoável para aquisição de novas carteiras.

Entretanto, o repórter da “Banda” ouviu telefonicamente o presidente do Movimento dos estudantes Angolano, Francisco Teixeira, que descredibilizou as acções do executivo e justificou de o mesmo estar a prestar um trabalho sem foco.

” Nós MEA achamos que não é agora que as carteiras devem chegar nas escolas, porque o ano lectivo já iniciou há tempos”. Avançando ainda que na preparação do ano académico, os gestores haviam aflorado que as condições estão criadas para o ano lectivo, o que para nós, não é real.

” Isto só mostra como as pessoas que estão na Educação não entendem nada de Educação” Criticou.
——————
Por.: Ngola Ntuady

Comentários no Facebook
Compartilhe